5 de nov de 2013

Dicas para elaboração de projetos de casas minha casa minha vida

O sonho de uma casa surge em oportunidades que a vida dá para realização deste projeto. O programa habitacional minha casa minha vida é um incentivo do governo federal para a aquisição de uma moradia digna.
O objetivo deste modelo de financiamento é diminuir o valor das parcelas, graças à redução dos juros, a isenção de impostos na aprovação do projeto na prefeitura e o valor dado pelo estado para o abatimento do montante total da divida. Um custo menor está ajudando muitos brasileiros na aquisição de uma casa própria.
A modalidade de construção com aquisição de terreno, deverá ser bem estuda no contexto da criação de um projeto arquitetônico que ajude na ampliação futura do imóvel.
O estudo adequado do programa de necessidades do cliente é primordial para uma boa execução e adequação do projeto. O arquiteto deverá prever corredores para ampliação para novos quartos, banheiros, escritórios, além se possível, já deixar um croqui com um desenho mostrando como eventualmente sua casa poderá se tornar.
Compartilhar:

Como escolher um bom terreno para compra

A escolha de um bom terreno deve ser realizada com tranqüilidade, analisando o propósito da compra, se é para investimento, construção comercial ou residencial. Depois disso deve se avaliar alguns critérios na compra do terreno.
Localização
A verificação do entorno do terreno é uma boa oportunidade de avaliar a localização do imóvel. Algumas análises podem ser descritas, tais como:
  1. Qualidade dos imóveis, verificando os tipos de edificações de madeira ou alvenaria;
  2. Ocupação de casas do local;
  3. Analisar se no entorna do terreno tem prédios ou sobrados, isto influenciará na diminuição da incidência solar e modificando o tipo de projeto a se realizar;
  4. Verificar a distância de algum centro comercial, como: farmácia, supermercado, shopping, bancos, cinema;
  5. Verificar distância de serviços básicos, como: hospital, colégios, universidades, creches, policia, ponto de ônibus, aeroportos e rodoviárias;
  6. Analisar a intensidade do trafego da rua;
  7. Distância de bares, comércio, salão de festas;
  8. Avaliar a distância para ou seu trabalho;
Compartilhar:

1 de out de 2013

DICAS PARA ECONOMIA DE CONSTRUÇÃO DA CASA

Da escolha do terreno aos acabamentos, a construção pode ter seus custos significativamente reduzidos, desde que o processo tenha um planejamento e uma organização adequado. As dicas abaixo buscam, de forma bastante resumida e simplificada, mostrar como:

     COMPRA DO TERRENO
     • se possível, escolher um terreno plano, o que representará menos gastos com terraplanagem e fundações;
     • para avaliar o solo, é importante contratar uma empresa de sondagem; caso o resultado apresente um solo de boa resistência superficial, será possível utilizar uma fundação tipo sapata corrida (uma laje armada horizontalmente, de 50 a 60cm, em valas de aproximadamente 1 metro de profundidade), que consome menos concreto;
     • em um lote acidentado é possível fazer terraplanagem, mas a necessidade de fazê-la ou não será definida pelo projeto arquitetônico, que pode tirar proveito da inclinação ou dos acidentes naturais do lugar;
     • para terrenos em declive, uma solução pode ser a utilização de uma estrutura independente.

Compartilhar:

23 de set de 2013

Pirataria chega à arquitetura na China

Cópia de um projeto da arquiteta Zaha Hadid está sendo construído no sul do país ao mesmo tempo em que o prédio original é erguido


Zaha Hadid, considerada uma das grandes estrelas da constelação da arquitetura de vanguarda, tornou-se também uma superestrela na China, onde seus projetos mais recentes irradiam desde as escolas e os estúdios de arquitetura de todo o país. Numa recente viagem a Pequim, 15 mil artistas, arquitetos e outros aficionados acorreram para ouvir a palestra que ela deu na inauguração do complexo futurista Galaxy Soho - apenas um dos 11 projetos que ela está realizando em toda a China.
Compartilhar:

5 motivos para contratar um Arquiteto!


1. Além do projeto de arquitetura em si, o Arquiteto está apto a elaborar e gerenciar também os projetos de instalação elétrica, hidráulica, esgoto, gás, estrutura e paisagismo.


2. Ter uma casa bonita, confortável e desenhada por um arquiteto como nas revistas de decoração não é só para milionários e celebridades.

3. O arquiteto pode fazer projetos completos de imóveis residenciais e comerciais ou efetuar reformas internas gerais ou de apenas alguns cômodos, além de cuidar de todos os detalhes da decoração, como combinar os tecidos de sofás com as cortinas.

4. Personalização: Cada projeto é um projeto, cada cliente é um cliente. O profissional faz o projeto de acordo com as necessidades, gostos e orçamento de cada cliente.

5. Fica mais barato: contratar um arquiteto pode garantir menor custo na realização de seu sonho.
Pense nisso antes de começar a construir ou reformar.
Compartilhar:

18 de set de 2013

Atribuições do arquiteto | Fórum da Construção

É preciso que se entenda que a contratação desse profissional é uma necessidade real, não é supérfluo! O projeto desenvolvido não apenas valorizará o ambiente ou a edificação em si, mas irá racionalizar o espaço, direcionando para o menor custo. Um projeto bem resolvido traz, além do bem estar e conforto, o retorno financeiro imediato, situação comprovada em edifícios comerciais e institucionais. 

É necessário enfatizar que a maior atribuição do profissional de arquitetura não consiste apenas na elaboração do projeto de interiores, nem tampouco de apenas solucionar no final da obra uma fachada que, esteticamente, não agradou o proprietário. 

O papel do arquiteto vem muito antes de tudo isso! Na verdade, esse profissional é responsável por toda a formação das idéias iniciais: desde a planta-baixa e fachada (o projeto arquitetônico em si), definição dos espaços externos (projeto de paisagismo) até, finalmente os internos (projeto de arquitetura de interiores). 

Na construção civil, o arquiteto não somente “complementa”, mas participa do planejamento direto: com a criação do projeto arquitetônico e a fiscalização da obra, em conjunto com o engenheiro, para certificar-se que está sendo executada conforme o planejado. 

Caso seja solicitado, o arquiteto poderá também fazer a administração da obra: cabendo a ele traçar o cronograma de execução, fazer orçamentos de materiais, pagamentos, contratação e organização da mão de obra especializada. É o primeiro profissional a ser procurado pelo cliente e deve acompanhá-lo até o final da obra. 

Na sociedade atual, o papel do arquiteto é o de “transformador”. O produto final de suas idéias torna-se um elemento cultural capaz de influenciar comportamentos, conceitos e até mesmo outras formas de manifestações artísticas. 

A principal função do profissional, ao conceber o projeto arquitetônico, é modificar a realidade dos espaços, edificados ou não. A arquitetura, portanto, é uma das manifestações mais representativas e simbólicas das atividades humanas em uma sociedade, é a expressão – de maneira bela, emocional ou racional – do modo como um povo pensa, age, sente e cria o seu mundo. 




Fonte:www.adrianalima.arq.br
Compartilhar:

12 de ago de 2013

Construção civil investe em capacitação para amenizar carência de mão de obra no mercado

Está nos jornais, nos noticiários de TV, nas revistas e, principalmente, nos canteiros das obras. Não é novidade que a escassez de operários qualificados na construção civil preocupa este setor que é o que mais cresce no Brasil. E um dos que mais auxilia no combate à crise de desemprego no País. Porém, atrasos nas obras e acabamentos indesejados são algumas das consequências dessa falta de Profissionais.

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) aponta que 89% entre 385 empresas da construção civil pesquisadas sofrem com a falta de trabalhadores qualificados e 94% das empresas têm dificuldades em encontrar profissionais com qualificação básica, como pedreiros e serventes.
PAC, COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS AMPLIAM ATIVIDADES

Além da expansão rápida e contínua do setor imobiliário, obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 chamam atenção para ampliação da atividade na indústria nacional. Uma solução para esse problema, são incentivo por parte do governo e dos proprietários das construtoras para que os operários se qualifiquem e façam cursos. Todos ganham com essa iniciativa, tendo em vista que um profissional qualificado evita até o desperdício de materiais, consequência da falta de instrução para uso dos mesmos. Os operários estão preocupados apenas com a execução da tarefa, não se comprometendo com a qualidade e produtividade. 

             Para amenizar algumas empresas  investem na qualificação ou adotam cursos a                          distancia, como o Curso de Mestre de Obras, que capacita on line a preço acessível.

PROBLEMAS ENFRENTADOS
De acordo com o levantamento, são três os principais problemas. O primeiro é a alta rotatividade dos trabalhadores, fato reclamado por 56% das empresas. Na opinião de 53% das construtoras, a má qualidade da Educação Básica é o segundo maior obstáculo na busca pela qualificação, e o receio em perder os trabalhadores para o mercado foi apontado como terceiro maior empecilho na qualificação, segundo 47% das empresas. Para melhorar a qualificação profissional, 64% das empresas adotam a capacitação no próprio ambiente de trabalho e 45% dizem que a ação mais eficiente é fortalecer a relação do empregado com a empresa, por meio de salários e benefícios.

PERFIL DO PROFISSIONAL MUDOU
O que antes era só uma profissão comumente vista como opção para sair do desemprego, atualmente, esta realidade passa por mudanças. O operário está cada vez melhor remunerado e é visto como um colaborador da empresa. “Isso não é algo tão recente. As mudanças nesse sentido já vêm sendo sentidas de alguns anos pra cá. Essa integração dos colaboradores é que leva uma empresa a garantir bons resultados para seus acionistas.”, explica o diretor técnico da BSPAR Incorporações, Alfredo Cruz.

INICIATIVA
A saída mais viável para esse tipo de problema é as empresas capacitarem seus profissionais, investir neles mesmo no canteiro de obras como também em Escolas Técnicas. Segundo Alfredo Cruz, a importância do treinamento é suprir, de imediato, a necessidade de mão de obra nesse momento de escassez. “Se você dá a oportunidade de o funcionário crescer profissionalmente, você cria uma política de captação e retenção de operários de trabalho. Com isso, podemos buscar a crescente melhoria e a qualidade no serviço”, destaca Cruz, que oferece dentro da BSPAR esse tipo de curso para funcionários do grupo.

“Aqui, nós temos vários cursos internos e outros em parceria com o SESC E SENAI – vão desde treinamento de fipa, trabalho em altura, cursos de desenvolvimento. Pegamos serventes e começamos a capacitá-los para virar pedreiros, auxiliar de eletricista, vários cursos para dar mobilidade vertical, ir capacitando e ao mesmo tempo retendo. Fora esses, nós temos vários outros cursos de qualidade, segurança no trabalho, brigada de incêndio, operador de betoneira. Eletricidade básica para trabalhar pessoas que querem seguir essa profissão, cursos, palestras de trabalho em altura, acidente de trabalho etc.”, informou Cruz, acrescentando que os cursos atendem até aos engenheiros, tais como cursos de oratória e código de ética.

A iniciativa das empresas em investir na área é um grande passo. Contudo, essa responsabilidade não deve partir somente do setor privado, o governo também deve atentar para o contexto atual da indústria civil. Todo o processo construtivo vai ter qualidade na medida em que se utilizar um projeto bem elaborado, materiais certificados e profissionais qualificados. O conjunto é importante para o sucesso da obra.
Compartilhar:

6 de ago de 2013

Refinanciamento de imóvel avança e atrai novos bancos

As experiências recentes da Caixa Econômica Federal e do Bradesco na modalidade de crédito conhecido como "home equity", que consiste em refinanciar a casa própria, mostram que o produto, embora ainda longe de alcançar a expressividade do crédito consignado, aquele com desconto das parcelas no contracheque, já está se firmando no portfólio de grandes instituições financeiras.

Compartilhar:

29 de jul de 2013

Invista na sua capacitação!!

Está nos jornais, nos noticiários de TV, nas revistas e, principalmente, nos canteiros das obras. Não é novidade que a escassez de operários qualificados na construção civil preocupa este setor que é o que mais cresce no Brasil. E um dos que mais auxilia no combate à crise de desemprego no País. Porém, atrasos nas obras e acabamentos indesejados são algumas das consequências dessa falta de Profissionais.

Um levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) aponta que 89% entre 385 empresas da construção civil pesquisadas sofrem com a falta de trabalhadores qualificados e 94% das empresas têm dificuldades em encontrar profissionais com qualificação básica, como pedreiros e serventes.
PAC, COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS AMPLIAM ATIVIDADES

Além da expansão rápida e contínua do setor imobiliário, obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 chamam atenção para ampliação da atividade na indústria nacional. Uma solução para esse problema, são incentivo por parte do governo e dos proprietários das construtoras para que os operários se qualifiquem e façam cursos. Todos ganham com essa iniciativa, tendo em vista que um profissional qualificado evita até o desperdício de materiais, consequência da falta de instrução para uso dos mesmos. Os operários estão preocupados apenas com a execução da tarefa, não se comprometendo com a qualidade e produtividade. 

             Para amenizar algumas empresas  investem na qualificação ou adotam cursos a              distancia, como o Curso de Mestre de Obras, que capacita on line a preço acessível.

Compartilhar:

16 de jul de 2013

27 de jun de 2013

←  Anterior Proxima  → Inicio