9 de fev de 2008

Quando a favela é o conceito

Que o Brasil tem muita coisa boa e bonita todo mundo sabe, mas em se tratando de conceitos arquitetônicos sempre estivemos coadjuvantes à história e aos conceitos do que tem sido o "palco da arquitetura mundial".

Aquilo que sempre viamos como vergonha para o nosso pais, acaba por se tornar o foco principal dos olhares europeus. Não é de se negar que nos orgulhamos quando a Europa, centro de toda a cultura, música, arquitetura e artes, valoriza os nossos produtos. Mas agora o produto cobiçado é a favela.

"O holandês Eric Vanderfeesten, especialista em planejamento urbano, está usando as favelas brasileiras como referência na criação de projetos habitacionais. Segundo ele, o modelo adotado na Holanda (e em vários países do mundo) de casas iguais distribuídas em “colunas” é péssimo para a interação e identidade de seus moradores. Já a favela, onde cada casa é única na sua própria cor e formato, é uma solução eficiente e mais agradável em áreas mais pobres. Sendo assim, o planejador desenvolveu um sistema de parâmetros que cria no computador planos habitacionais baseados na forma e na disposição dos barracos brasileiros, como dá pra ver pela foto. Até as lajes foram admiradas, e agora se chamam "private balconies", algo como terraços particulares. "

No site dele tem mais informações sobre o conceito.

Noticias:

Estudantes da UFMG recebem prêmio na Europa
por projeto arquitetônico que propõe transformação radical da favela da Serra, em BH
Compartilhar:

5 de fev de 2008

3 de fev de 2008

Conceito: Sustentabilidade

Navegando por ai vi uma exelente reportágem sobre um projeto sustentável do Ghab (Grupo de Estudos da Habitação) da Universidade Federal de Santa Catarina. O projeto teve seu enfoque na reutilização de resíduos, no caso cinzas da queima da casca de arroz e o entulho de obra (cerâmico) da própia cidade. Vale a pena conferir o trabalho um pouco mais de perto.

Características do Protótipo *

O projeto arquitetônico, desenvolvido pelo Ghab, estabelece a construção de um embrião de aproximadamente 42 m2, contendo sala-cozinha, lavanderia e varanda no pavimento térreo; dormitório e banheiro completo no segundo piso. Como segunda etapa da obra, está prevista a construção de um ambiente no pavimento térreo podendo atender funções diversas como dormitório, sala e mesmo um espaço produtivo. Um terceiro dormitório poderá surgir no pavimento superior, sobre o primeiro ambiente ampliado.

O principal enfoque foi a valorização de resíduos, com grande disponibilidade na região Sul, que foram empregados na elaboração e produção dos elementos construtivos, sendo usados: cinzas pesadas geradas no processo termoelétrico, as cinzas da queima da casca de arroz e o entulho de obra (cerâmico). Na sua concepção e construção o protótipo para habitação integrou os seguintes elementos:

  • Uso de materiais com baixo impacto ambiental na sua cadeia produtiva;
  • Uso de recursos localmente disponíveis;
  • Instalações elétricas otimizadas para baixo consumo de energia com uso de fonte de energia alternativa: painel solar para aquecimento da água do chuveiro;
  • Instalações hidro-sanitárias otimizadas para consumo mínimo de água e com reaproveitamento de água de chuva no vaso sanitário;
  • Instalações esgoto com tratamento;
  • Esquadrias confeccionadas com aproveitamento da madeira (pinus)
  • Estrutura do telhado em madeira laminda colada pinus;
  • Tinta mineral sem compostos orgânicos voláteis.
* Texto retirado do site Habitare

Nesse site você poderá verificar a obra construída, assim como o projeto completo em PDF.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio